Alex Meyer quer resolver o problema dos moradores da ocupação do Bubas

Por Tribuna Popular Publicado em
Alex Meyer quer resolver o problema dos moradores da ocupação do Bubas

DIREITO A MORADIA

Maior ocupação do Paraná, com 3 mil famílias é preocupação da Câmara, Prefeitura e Governo do Paraná, que estuda a regularização fundiária

Enrique Alliana / Jornalista

A Câmara aprovou o requerimento 326/21 do vereador Alex Meyer solicitando ao prefeito Chico Brasileiro informações sobre a regularização fundiária dos terrenos da ocupação do Bubas.

A ocupação do Bubas foi tema de debates na Câmara. Ao pedir apoio dos colegas vereadores para aprovar o requerimento, Alex Meyer argumentou que a moradia digna é um direito de todos os brasileiros.

"De acordo com a Defensoria do Estado, a ocupação do Bubas abriga mais de 3 mil famílias, sendo a maior do Paraná. Aquelas pessoas se identificam com a comunidade", disse Meyer.

Em seu requerimento, o vereador cita a audiência pública realizada em 2019 na Câmara para discutir os problemas enfrentados pelos moradores do Bubas. Na época o Executivo havia afirmado que o primeiro passo seria elaboração de projeto de regularização fundiária.

"Dentro dessa questão da regularização fundiária, como temos a maior ocupação do Estado do Paraná, ontem me chamou a atenção um material propondo regularização fundiária por meio do TJ-PR", explicou Alex.

"Regularização fundiária é sonho das pessoas. Tomara que seja regularizado urgentemente e tudo o que as pessoas construíram seja preservado", emendou o vereador Galhardo (Republicanos). O presidente Ney Patrício também saiu em defesa da proposta.

O requerimento foi aprovado e encaminhado para autoridade competente e agora aguarda resposta oficial.

SOMA DE ESFORÇOS

Alex Meyer destacou o trabalho que foi realizado durante os 15 anos em que trabalhou no CAIA, quando enfrentou problemas similares com a invasão do Morenitas I e II. "Agora não podemos deixar de somar esforços para trabalhar pelo bem comum da região do Bubas".

A Ocupação do Buba é a maior do Paraná. "É uma grande quantidade de pessoas, e quando falamos de pessoas, são seres-humanos com direitos e que merecem dignidade", acrescentou Meyer. Ele disse que desde janeiro de 2013 só vem aumentando o número de pessoas, e hoje são estimados mais de 7.000 moradores vivendo na comunidade.

63% CLAMAM POR ÁGUA E ENERGIA ELÉTRICA

Durante seu pronunciamento, Alex Meyer citou trechos da tese de mestrado de um acadêmico da Unioeste que fez extensa pesquisa sobre a ocupação do Bubas.

De acordo com o levantamento, 30% dos entrevistados responderam estar desde o início da ocupação residindo na comunidade e 49% responderam estar vivendo lá há mais de cinco anos.

"Nessa mesma defesa de mestrado, das 316 pessoas entrevistadas, 200 pessoas, ou seja, 63% clamam por água potável e luz elétrica. Estamos falando de um problema grave porque temos energia e condições de tratar a água. São 8 anos que nossos irmãos estão sentindo na pele esses problemas graves", destacou Meyer.

DESTAQUES DE ALEX MEYER

"Tenho 15 anos de trabalho na área social, senti na pele como é trabalhar com aqueles que menos tem condições e, consequentemente, menos direitos.

--------

"São 30 anos residindo na minha formosa Porto Meira e lembro como se fosse hoje, os problemas enfrentados durante a ocupação do Morenitas I e II.

--------

"Com muito trabalho e união, conseguimos mudar a imagem do Porto Meira. Foram anos de trabalho social, atuação na urbanização e na qualidade de vida dos irmãos e irmãs e não será diferente com o Bubas".

Fonte: https://jtribunapopular.com.br/uploads/files/2021/07/jornal-tribuna-popular-edicao-306-pdf.pdf

Galeria de imagens:

Atenção!

A reprodução das fotos do portal de notícias Tribuna Popular com endereço digital jtribunapopular.com.br está expressamente proibida.

As fotos são protegidos pela legislação brasileira, em especial pela Lei de Direitos Autorais (Lei Federal 9.610/98) e é um direito de imagem garantida pela lei.

A Tribuna Popular retém os direitos autorais do conjunto de textos e fotos publicados no site conforme a lei 9.610 de 19/02/1998.

Para a reprodução do conteúdo fora das condições especificadas entrar em contato com o seguinte e-mail jtribunapopular@bol.com.br