Bombeiros constatam irregularidades que podem provocar incêndio no hospital

Por Tribuna Popular Publicado em
Bombeiros constatam irregularidades que podem provocar incêndio no hospital

DESLEIXO

Promotor abre inquérito contra o Hospital Municipal e pede uma série de informações à diretoria a respeito da segurança e prevenção contra incêndios

Enrique Alliana / Jornalista

O promotor de justiça Luiz Marcelo Mafra determinou a abertura de um inquérito civil público para apurar falta de segurança no Hospital Municipal Padre Germano Lauck.

O representante do Ministério Público na área de saúde quer saber se o referido estabelecimento de saúde possui todos os mecanismos necessários para a prevenção contra incêndio e desastres, de acordo com as normas do Código de Prevenção de Incêndio do Corpo de Bombeiros do Paraná.

O promotor obteve informações de que no dia 16 de agosto deste ano teria ocorrido uma fiscalização nas dependências do nosocômio, quando foram detectadas diversas irregularidades em desconformidade com as medidas de prevenção e combate a incêndio e a desastres.

"Deste modo -frisa o documento do MP - denota-se necessário, uma vez constatadas irregularidades nas condições de segurança do aludido edifício público, que se adotem medidas com o objetivo de sanar estas eventuais carências e, neste caso, apontar quais serão elas".

O promotor alerta: "verificando-se a existência de situações que coloquem em risco a incolumidade pública, os elementos de convicção angariados através deste procedimento investigatório devem possibilitar a adoção das medidas extrajudiciais e/ou judiciais por parte do Ministério Público do Estado do Paraná necessárias à solução do problema".

O promotor deu prazo de dez dias para a direção do hospital prestar algumas informações. Dentre elas sobre a existência de controle de materiais de acabamento e revestimento, bem como saídas de emergência e sinalização adequada.

O MP também requereu informações sobre a existência de segurança contra incêndio para líquidos combustíveis e inflamáveis, compartimentação horizontal e vertical, iluminação de emergência, extintores de incêndio, alarme de incêndios, detecção automática de incêndio, hidrante e mangotinhos.

O Hospital Municipal é gerido pela Fundação Municipal de Saúde que tem na presidência o contador Sergio Fabriz.

Urucubaca no Hospital Municipal

Não é a primeira vez que surgem denúncias por má gestão da atual diretoria do Hospital Municipal. Em junho do ano passado, este jornal denunciou os gastos absurdos com fotocópias quando a Fundação de Saúde homologou o processo licitatório, modelo pregão presencial, 032/2021 para prestação de serviços de tiragem de fotocópias para o Hospital Municipal.

O edital foi publicado em 8 de julho e foi assinado pelo diretor presidente da Fundação, Sérgio Moacir Fabriz, favorecendo a empresa PRINTER CLOUD TECHNOLOGY LTDA.

O valor do contrato para imprimir 6.000.065 fotocópias foi de R$ 740.00,00. Serão 6 milhões de cópias em preto & branco e 65 mil cópias coloridas. O valor unitário das cópias monocromáticas será de 11 centavos e as coloridas variam de 58 a 75 centavos, de acordo com o tamanho da área de impressão.

Fonte e Foto: https://jtribunapopular.com.br/uploads/files/2021/08/jornal-tribuna-popular-edicao-309-pdf.pdf

Galeria de imagens:

Atenção!

A reprodução das fotos do portal de notícias Tribuna Popular com endereço digital jtribunapopular.com.br está expressamente proibida.

As fotos são protegidos pela legislação brasileira, em especial pela Lei de Direitos Autorais (Lei Federal 9.610/98) e é um direito de imagem garantida pela lei.

A Tribuna Popular retém os direitos autorais do conjunto de textos e fotos publicados no site conforme a lei 9.610 de 19/02/1998.

Para a reprodução do conteúdo fora das condições especificadas entrar em contato com o seguinte e-mail jtribunapopular@bol.com.br