É #FAKE que artigo do Código Civil protege quem não quer se vacinar

Por Tribuna Popular Publicado em
É #FAKE que artigo do Código Civil protege quem não quer se vacinar

Juristas deixam claro que a lei citada não permite que o cidadão deixe de se vacinar, pois o artigo fala em "risco de vida" e as vacinas são seguras e estão aprovadas. Eles destacam ainda a decisão do Supremo Tribunal Federal que definiu a constitucionalidade da vacinação obrigatória

Circula pelas redes sociais uma mensagem que cita o artigo 15 do Código Civil para alegar que o cidadão que não quiser se vacinar contra a Covid-19 está amparado pela lei. É #FAKE.

O artigo 15 da lei 10.406, de fato, diz que "ninguém pode ser constrangido a submeter-se, com risco de vida, a tratamento médico ou a intervenção cirúrgica". Juristas ouvidos pelo G1, porém, deixam claro que a lei citada na mensagem falsa não permite que o cidadão deixe de se vacinar. Isso porque as vacinas são seguras e foram aprovadas por um órgão regulador nacional. Eles destacam ainda a decisão do Supremo Tribunal Federal que definiu a constitucionalidade da vacinação obrigatória.

A conselheira da Associação dos Advogados de São Paulo (AASP) Luciana Pereira afirma que a lei mencionada na mensagem falsa é o Código Civil (em vigor), mas ressalta que o artigo menciona “risco de vida”, o que os estudos indicam que não há. "Ao contrário, estudos feitos pelos laboratórios e submetidos à agência reguladora (Anvisa) mostraram não apenas a eficácia como a segurança das vacinas aprovadas no Brasil", diz.

Gustavo Swenson, sócio da área de Life Sciences e Saúde do escritório Mattos Filho, Veiga Filho, Marrey Jr e Quiroga Advogados, também diz que, apesar de a lei 10.406/2002 (Código Civil) estar em vigor, ela não pode ser evocada nesse sentido.

"O dispositivo citado é utilizado fora do contexto e não alcança os efeitos indicados no cartaz [da mensagem falsa], no sentido de tornar ilegal a vacinação obrigatória. A menção ao art. 15 não se aplica às vacinas contra Covid-19, que são seguras e parte do Programa Nacional de Imunização (PNI), não submetendo, assim, o vacinado a risco de vida", diz.

Swenson esclarece ainda que a vacinação obrigatória é constitucional. Segundo ele, o tema foi enfrentado recentemente pelo Supremo Tribunal Federal (STF), no contexto do julgamento da Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) 6.586, em que se firmou o posicionamento de que:

•       a vacinação contra a Covid-19 pode ser obrigatória – ainda que não forçada, em respeito aos direitos fundamentais como a intangibilidade do corpo humano (não podendo ser decretadas medidas invasivas como o uso da força para exigir a imunização)

•       União, estados, municípios e o Distrito Federal possuem competência concorrente para tomar medidas com o objetivo de conter a pandemia do coronavírus, no limite de sua atuação jurisdicional

•       é possível a implementação de medidas indiretas para garantir a obrigatoriedade da vacinação da população, como por exemplo por meio da restrição ao exercício de certas atividades ou circulação em determinados locais, na medida em que o bem coletivo se sobrepõe aos interesses individuais

Felipe Penteado Balera, doutor em direito constitucional pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP), afirma que o artigo citado na mensagem falsa está em vigor, mas, como qualquer outra norma infraconstitucional, deve ser interpretada em conformidade com a Constituição.

Ele explica que, em 2020, foi editada a lei 13.979, que permite "a adoção de medidas para enfrentamento da emergência de saúde pública de importância internacional (Covid19)". Entre tais medidas está a vacinação.

A lei 13.979/2020 foi questionada no Supremo Tribunal Federal sobre a sua constitucionalidade, tanto em uma ação direta de inconstitucionalidade (ADI) quanto em um recurso com repercussão geral.

No julgamento da ADI, o STF definiu o seguinte: "A vacinação compulsória não significa vacinação forçada, porquanto facultada sempre a recusa do usuário, podendo, contudo, ser implementada por meio de medidas indiretas, as quais compreendem, dentre outras, a restrição ao exercício de certas atividades ou à frequência de determinados lugares, desde que previstas em lei, ou dela decorrentes".

No julgamento com repercussão geral (vinculante para os demais órgãos do Poder Judiciário e para a Administração Pública), o STF concluiu: “É constitucional a obrigatoriedade de imunização por meio de vacina que, registrada em órgão de vigilância sanitária, tenha sido incluída no Plano Nacional de Imunizações; ou tenha sua aplicação obrigatória decretada em lei; ou seja objeto de determinação da União, dos estados, do Distrito Federal ou dos municípios com base em consenso médico-científico. Em tais casos, não se caracteriza violação à liberdade de consciência e de convicção filosófica dos pais ou responsáveis, nem tampouco ao poder familiar".

Balera adiciona que o artigo citado na mensagem falsa vale mais para cirurgias e é muito empregado por grupos religiosos quando não querem se submeter a determinados procedimentos, como transfusão de sangue, defendendo essa não submissão à intervenção médica.

"Mas a questão aqui vai um pouco além da vacinação. E no processo do STF eles discutiram bastante os dois lados. O que está em jogo: um direito individual da pessoa não se submeter à vacina e por outro lado o direito da coletividade à sua vida e à sua saúde, que é um bem maior do que o direito individual de uma pessoa", diz.

Balera diz que tanto o Código Civil quanto a lei 13.979 têm o mesmo patamar hierárquico. São normas infraconstiucionais. Então na questão de hierarquia não há uma distinção entre elas. Porém, para a vacinação, a lei 13.979 é uma lei específica, enquanto o Código Civil é uma lei geral. E, segundo o entendimento do direito, no conflito entre uma lei específica e uma lei geral, prevalece a lei específica.

Para Swenson, nenhuma das normas supera a outra, mas ele ressalta que tal discussão não tem nem sequer relevância, uma vez que o artigo legal citado não se aplica no caso da vacinação contra a doença. Ele explica que, como regra geral, por se tratar de lei federal, eventual revogação/ou superposição de dispositivo contido na norma pode ocorrer somente por meio de lei federal aprovada pelo Congresso Nacional – salvo exceções pontuais como Medidas Provisórias. "Sem prejuízo, nos parece irrelevante a discussão na medida em que o artigo legal citado não se aplica e/ou impede a obrigatoriedade de vacinação contra a Covid-19", diz.

Fonte: G1

Galeria de imagens:

Atenção!

A reprodução das fotos do portal de notícias Tribuna Popular com endereço digital jtribunapopular.com.br está expressamente proibida.

As fotos são protegidos pela legislação brasileira, em especial pela Lei de Direitos Autorais (Lei Federal 9.610/98) e é um direito de imagem garantida pela lei.

A Tribuna Popular retém os direitos autorais do conjunto de textos e fotos publicados no site conforme a lei 9.610 de 19/02/1998.

Para a reprodução do conteúdo fora das condições especificadas entrar em contato com o seguinte e-mail jtribunapopular@bol.com.br