Licitação às avessas: Soldado Fruet denuncia compra suspeita do Governo

Por Tribuna Popular Publicado em
Licitação às avessas: Soldado Fruet denuncia compra suspeita do Governo

O deputado estadual Soldado Fruet (PROS) protocolou no dia de ontem, quinta-feira (22/07/2021) uma denúncia no Tribunal de Contas do Estado do Paraná (TCE/PR), solicitando a suspensão do Pregão Eletrônico nº 023/2019, realizado pelo Departamento de Estradas de Rodagem do Paraná (DER/PR) para aquisição de cones e cilindros para sinalização viária, tipo menor preço. Segundo o parlamentar, o pedido decorre do trabalho contínuo de fiscalização dos atos do Poder Executivo e foi motivado por indícios de sobrepreço. O Soldado Fruet alegou que faltou economicidade nos Lotes 01 e 02 da licitação da Superintendência Regional Oeste, já que o DER/PR declarou vencedoras as propostas mais caras para os cones, por quase o triplo dos preços das menores ofertas.

O Lote 01 visava a compra de 3.570 cones refletivos no valor unitário máximo de R$ 179,66 e global de R$ 641.386,20, para ampla concorrência; e o Lote 02, a compra de 440 unidades do mesmo objeto, no valor unitário máximo de R$ 179,66 e total de R$ 79.050,40, fornecido por microempresa (ME), empresa de pequeno porte (EPP) ou cooperativa. O resultado final foi publicado no Diário Oficial do último dia 9 de julho. “O fato que causou estranheza foi que as empresas vencedoras dos Lotes 01 e 02 (...) apresentaram preços muito superiores aos das demais concorrentes, todas desclassificadas no transcorrer do certame, somente restando classificadas/habilitadas e com amostras aprovadas as vencedoras”, apontou o Soldado Fruet. 

No Lote 01, a proposta da empresa ganhadora foi de R$ 147,90 por cone, contra R$ 50 do menor preço oferecido e média de R$ 96,41 entre as oito participantes. Já no Lote 02, a vencedora propôs R$ 149,00, ante R$ 50 da menor oferta e média de R$ 97,09 entre os sete concorrentes. O Soldado Fruet argumentou que, em rápida busca pela internet, é fácil encontrar cones refletivos, nos termos da NBR 15.071, exigida no edital dos Lotes 01 e 02, com preços inferiores aos contratados pelo DER, de R$ 99,90 a R$ 115. 

O deputado destacou também que outra compra de cones refletivos similares aos licitados pelo DER resultou em contratação mais barata ao Estado. No Pregão Eletrônico nº 859/2018 do Departamento de Trânsito do Paraná (Detran/PR), o valor unitário máximo foi de R$ 56,32 – contra R$ 179,66 do DER. O pregão do Detran foi homologado com preço unitário de R$ 47,86, ou seja, mais de R$ 100 mais barato que o do DER. 

Devido às suspeitas de sobrepreço, o Soldado Fruet pediu ao TCE que suspenda o andamento da licitação do DER ou, caso já tenha sido assinado o contrato, que inste o Executivo a realizar a suspensão. “O objetivo é salvaguardar o erário público e conferir a lisura, publicidade, probidade, proporcionalidade, economicidade e eficiência esperadas na realização de um certame licitatório”, afirmou. Ele pleiteou que, após o contraditório do DER, a Corte proceda a análise técnica para averiguar as possíveis irregularidades no pregão.

ESCLARECIMENTOS - Além da denúncia ao TCE, o parlamentar apresentou nesta quinta-feira (22) um requerimento pedindo esclarecimentos ao diretor geral do DER, Fernando Furiatti Saboia, sobre os valores inicial e final do Pregão nº 023/2019 em montante muito acima do encontrado na internet e atingido em outras aquisições governamentais, como a do Pregão nº 859/2018 do Detran. O Soldado Fruet também indagou por que o Governo do Estado não usou o Sistema de Registro de Preços, “boa prática administrativa que certamente coibiria a possibilidade de aquisição de itens por valores três vezes superiores ao contratado por outra entidade do mesmo ente político”.

Fonte e Foto: Assessoria

Galeria de imagens:

Atenção!

A reprodução das fotos do portal de notícias Tribuna Popular com endereço digital jtribunapopular.com.br está expressamente proibida.

As fotos são protegidos pela legislação brasileira, em especial pela Lei de Direitos Autorais (Lei Federal 9.610/98) e é um direito de imagem garantida pela lei.

A Tribuna Popular retém os direitos autorais do conjunto de textos e fotos publicados no site conforme a lei 9.610 de 19/02/1998.

Para a reprodução do conteúdo fora das condições especificadas entrar em contato com o seguinte e-mail jtribunapopular@bol.com.br