Travestis pedem a cabeça do vereador Cabo Cassol por ofender LGBTs

Por Tribuna Popular Publicado em
Travestis pedem a cabeça do vereador Cabo Cassol por ofender LGBTs

HOMOFOBIA

Vereador é acusado de ofender gays, lésbicas e transexuais em suas redes sociais e agora irá responder perante o Conselho de Ética da Câmara

Enrique Alliana / Jornalista

Uma brincadeira de mau gosto feita nas redes sociais pelo vereador Cabo Cassol está lhe rendendo sérias dores de cabeça. Mais que isso: pode resultar em uma suspensão ou até a perda do mandato.

No final de junho de 2021, por ocasião do Dia Internacional do Orgulho LGBT o vereador Cabo Cassol utilizou suas redes sociais para postar uma imagem desrespeitosa em que satirizava a data. A mensagem associava a sigla LGBT ao criminoso Lázaro Barbosa de Sousa foi morto pela polícia depois de praticar atrocidades em Goiás.

A brincadeira de piá travesso acendeu a ira de gays, lésbicas e transexuais da cidade que chegaram a ensaiar um ato de repúdio ao vereador, acusando-o de hemofobia.

A representante da Associação de Travestis e Transexuais de Foz, Bruna Ravena Braga dos Santos, entrou com pedido na Câmara para que os vereadores tomassem providências contra a atitude de Cassol.

O advogado contratado pela associação, argumentou que o vereador teria incorrido em uma infração ética, tipificada no inciso II, do art. 2º, da Resolução 163, de 15/12/2020, que institui o Código de Ética Parlamentar, ao realizar em suas redes sociais postagens de cunho preconceituoso contra a sigla "LGBT e o Dia Internacional do Orgulho LGBTQIAP+.

O documento afirma também que o vereador compartilhou na sua página do Facebook outra imagem onde consta uma acusação descabida de que o ativismo LGBT quer acabar com a palavra "mãe".

"Ao realizar as postagens de cunho preconceituoso contra a sigla "LGBT" e o Dia Internacional do Orgulho LGBT, o parlamentar violou princípios amparados pela Constituição Federal e pela Constituição do Estado do Paraná, vindo consequentemente a desrespeitar, intencionalmente, os deveres funda mentais de um membro de uma Câmara de Vereadores", diz o documento protocolado na Câmara.

A Associação dos Travestis anexou documentos e arrolou testemunhas, pedindo a "aplicação da penalidade disciplinar de suspensão do exercício do mandato ou alternativamente a suspensão de prerrogativas regimentais, nos moldes preconizado pela norma de regência".

Ao receber a denúncia, a mesa diretora da Câmara viuse obrigada a pedir o parecer da assessoria jurídica, que opinou pelo prosseguimento da ação.

Parecer jurídico é favorável a um processo disciplinar contra Cassol

Ao formular seu parecer, a assessoria jurídica da Câmara, Rosimeire Cássia Cascaredo Werneck, argumentou que "nas formas democráticas de governo, o instituto da representação pode significar um notável instrumento administrativo pelo qual o sujeito, denunciando irregularidades, ilegalidade e condutas abusivas oriundas de agentes, reivindica a apuração de determinadas posturas e a regularização de situações decorrentes".

Após citar vários juristas entendidos no assunto, a procuradora entendeu que o documento protocolado na Câmara "traz indícios suficientes para a comprovação do alegado, portanto, entendemos que a representação satisfaz os pressupostos de admissibilidade para a instauração de um processo disciplinar, conforme decidir o Plenário desta Casa Legislativa".

Fonte: https://jtribunapopular.com.br/uploads/files/2021/08/jornal-tribuna-popular-edicao-309-pdf.pdf

Galeria de imagens:

Atenção!

A reprodução das fotos do portal de notícias Tribuna Popular com endereço digital jtribunapopular.com.br está expressamente proibida.

As fotos são protegidos pela legislação brasileira, em especial pela Lei de Direitos Autorais (Lei Federal 9.610/98) e é um direito de imagem garantida pela lei.

A Tribuna Popular retém os direitos autorais do conjunto de textos e fotos publicados no site conforme a lei 9.610 de 19/02/1998.

Para a reprodução do conteúdo fora das condições especificadas entrar em contato com o seguinte e-mail jtribunapopular@bol.com.br