Vereadores chamam Vitorassi de "cangaceiro do transporte coletivo"

Por Tribuna Popular Publicado em
Vereadores chamam Vitorassi de

BAFAFÁ NA CÂMARA

O polêmico sindicalista criticou vereadores nas redes sociais e levou um corretivo de Alex Meyer e Edvaldo Alcântara

"Quem diz o que quer acaba ouvindo o que não quer". O velho ditado popular serviu mais uma vez para o presidente do Sindicato dos Rodoviários, Dilto Vitorasi, que foi alvo de críticas durante a 2ª Sessão Ordinária do mês na Câmara de Vereadores da última terça (06/07/2021), durante a palavra livre.

Vitorassi é useiro e vezeiro na arte de criticar quem aparece em sua frente. Desta vez usou as redes sociais para atacar o vereador Edvaldo Alcântara e criticou severamente o PP, partido do vereador Alex Meyer.

Apesar de ser pacato, Alex Meyer não costuma levar desaforo pra casa e usou seu tempo na palavra livre para dizer algumas verdades contra Vitorassi. "Sou um homem público e aceito as críticas, mas quando tem calúnias e inverdades, eu me revolto".

"Sempre falo as verdades e esse sindicalista deve ter se ofendido e escreveu nas redes sociais que sou um vereador sem noção. Também afirmou que o PP, meu partido, é o mais corrupto do país", relembrou Meyer.

E prosseguiu: "Eu não critiquei nenhuma sigla partidária, nenhuma liderança porque respeito a todos. Se ele soubesse ler direito, veria que em minhas redes sociais eu me posicionei com educação".

Na sequência, Alex Meyer recordou que dias atrás o vereador Edvaldo Alcântara havia classificado Vitorassi como "o cangaceiro do transporte coletivo. Na verdade, esse homem só quer aparecer na mídia".

Revoltado com as críticas de Vitorasi, Alex Meyer prosseguiu: "o senhor precisa ir a um oftalmologista para enxergar melhor e marcar consulta com um otorrino para escutar melhor. O senhor ocupou uma cadeira nessa Câmara e chegou a ser membro do Congresso Nacional. Deveria ter respeito pelas pessoas, não fez nada pela cidade, só sabe criticar".

Rei do cangaço

O vereador Edvaldo Alcântara pediu a palavra e reafirmou com todas as letras: "esse Vitorassi é o cangaceiro do transporte coletivo porque nunca fez nada pela categoria, só sabre brigar. Ele deveria lavar a boca quando fala dos vereadores".

Alcântara afirmou que Vitorassi "tenta jogar um vereador contra o outro com suas tramas, mas nós não vamos cair na ladainha desse cangaceiro que não fez nada pelo sindicato e quer usar a entidade como se fosse propriedade sua".

O líder do prefeito na Câmara, Kalito Stoeckel, tentou colocar panos quentes na discussão e defender o sindicalista Vitorassi, mas acabou se enrolando. Voltou a falar sobre uma estranha reunião com o sindicalista e concluiu: "se ficou algum mal entendido eu peço desculpas".

Quem foi o rei do cangaço

O "rei do cangaço" se chamava Virgulino Ferreira da Silva, mais conhecido por "Lampião". Ele nasceu em 7 de julho de 1897 em Serra Talhada, Sertão pernambucano e semeou terror naquela região.

Revoltado com a morte de seu pai, Lampião montou um grupo de cangaceiros de diversas idades, que teve um final trágico. Em 28 de julho de 1938, Virgulino e seu bando foram mortos em uma emboscada feita pela polícia. Todos foram degolados e suas cabeças expostas em praça pública.

O bando não perdia a oportunidade de queimar as plantações e matar os animais de algum fazendeiro rico e perverso. Em povoados, os homens roubavam os comerciantes, destruíam casas, estupravam mulheres e matavam algumas pessoas.

Em contrapartida, Virgulino distribuía a riqueza que saqueava com os mais necessitados. Promovia festas para a equipe com muita fartura de comida e pagava bebidas para as pessoas em bares. Por essas razões, também foi muito idolatrado por alguns cachaceiros.

Fonte: https://jtribunapopular.com.br/uploads/files/2021/07/jornal-tribuna-popular-edicao-306-pdf.pdf

Galeria de imagens:

Atenção!

A reprodução das fotos do portal de notícias Tribuna Popular com endereço digital jtribunapopular.com.br está expressamente proibida.

As fotos são protegidos pela legislação brasileira, em especial pela Lei de Direitos Autorais (Lei Federal 9.610/98) e é um direito de imagem garantida pela lei.

A Tribuna Popular retém os direitos autorais do conjunto de textos e fotos publicados no site conforme a lei 9.610 de 19/02/1998.

Para a reprodução do conteúdo fora das condições especificadas entrar em contato com o seguinte e-mail jtribunapopular@bol.com.br